Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Icebergue do tamanho de Singapura está à deriva na Antárctida

Mäyjo, 16.02.14

Icebergue do tamanho de Singapura está à deriva na Antárctida

 

Em Julho, um icebergue do tamanho de Singapura começou a desprender-se do glaciar de Pine Island, o maior da Antárctida, que fica localizado na parte ocidental. No entanto, o gelo que o rodeava impediu-o de se soltar completamente do glaciar.

Porém, com a chegada do Verão ao Pólo Sul, o gelo começou a derreter e o icebergue libertou-se completamente. Desde Julho que o icebergue, com cerca de 700 quilómetros quadrados, está a ser monitorizado por Grant Brigg e Robert Marsh, professores nas Universidades de Sheffield e Southampton, respectivamente.

“Um icebergue com este tamanho pode sobreviver um ano ou mais e pode dirigir-se para norte, perturbando as rotas marítimas do Oceano Antárctico e Atlântico Sul”, afirma Robert Marsh, citado pela CNN. De acordo com Brigg, “nos últimos dias, o icebergue começou a movimentar-se e agora há um quilómetro ou dois de água entre o bloco e o glaciar”.

A fenda no glaciar de Pine Island foi inicialmente detectada por um satélite da NASA, em Outubro de 2011. O icebergue que agora se soltou foi detectado por um satélite alemão. De acordo com Bigg, um bloco de gelo foi identificado na Passagem de Drake, entre o Cabo Horn, na América do Sul, e as Ilhas Shetland do Sul, na Antárctida. Se o icebergue se movimentar na mesma trajectória existe a possibilidade de as rotas marítimas internacionais do Sul serem perturbadas. Caso os cientistas detectem que o icebergue está a movimentar-se em direcção a estas rotas será emitido um alerta internacional.

O glaciar de Pine Island é o maior da Antárctida e também o que circula mais rapidamente, cerca de quatro quilómetros por ano, em direcção ao Mar de Amundsen. Deste glaciar desprendem-se grandes icebergues a cada seis ou dez anos. Os últimos desprendimentos ocorreram em 2001 e 2007.

Os cientistas consideram que este é um processo natural e que não deve ser relacionado directamente com as alterações climáticas.  Esta é a primeira vez que um icebergue com tais dimensões vai ser monitorizado.

 

in: Green Savers